top of page

Um terço dos idosos brasileiros relatam sintomas depressivos e 16% sentem solidão, diz estudo



Mais de um terço dos adultos (34%) mais velhos e idosos brasileiros apresentam sintomas depressivos, e 16% afirmam sentir solidão. Além disso, a presença desses sentimentos é quatro vezes mais comum entre os idosos que relatam sempre se sentirem solitários, e o risco de desenvolver depressão dobra pelo simples fato de a pessoa morar sozinha.


A constatação é de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que também concluiu que a solidão foi mais associada ao sexo feminino, às sensações de má qualidade do sono e a uma autoavaliação ruim da saúde como um todo. Os resultados foram publicados na revista “Cadernos de Saúde Pública”.


A pesquisa foi fundamentada nas respostas fornecidas por 7.957 pessoas com 50 anos ou mais para a primeira edição do Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI-Brasil).


Os participantes foram questionados sobre a frequência com que se sentiram sozinhos ou solitários, podendo responder “sempre”, “algumas vezes” ou “nunca”. Entre os quase 8.000 entrevistados, 34% relataram a presença de sintomas depressivos, enquanto 16% afirmaram experimentar sentimentos de solidão. Dentre aqueles que relataram sintomas depressivos, 33% mencionaram sentir-se sempre sozinhos.


Os sintomas depressivos dos participantes foram avaliados por meio de um padrão utilizado em estudos científicos para verificar sintomas de depressão em adultos. Trata-se de uma escala composta por oito itens indiretos, sem a palavra depressão, onde os pesquisadores perguntam sobre sintomas comuns. Se a pessoa respondeu ao menos quatro dos oito itens favorecendo à depressão, ela foi considerada como tendo sintomas depressivos.


“Existe uma pequena diferença entre nomear essa variável como depressão ou como sintoma depressivo, já que a depressão é um diagnóstico médico. Para isso, a nossa fonte de dados teria que ser um prontuário médico. Como nossa base de dados foi uma entrevista realizada diretamente com idosos e nós avaliamos os sintomas que eles reportaram, optamos por chamar a variável de sintomas depressivos e não de depressão”, explicou o médico geriatra e doutorando em gerontologia Paulo Afonso Sandy Junior, um dos responsáveis pelo estudo.

Comments


BANNER_SAO_JOAO_2024_SITE.png
bottom of page