top of page

Gasolina da Petrobras volta a ter defasagem; diesel segue acima do PPI



O preço médio da gasolina vendida pela Petrobras nas refinarias voltou a apresentar defasagem na comparação com o PPI (Preço de Paridade de Importação), referência internacional no setor. O combustível fechou a semana com valor 2,82% inferior no mercado interno, segundo levantamento do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura).


Isso se dá depois de o preço da gasolina ter ficado acima do PPI na maior parte de novembro. No caso do diesel, o valor permanece acima das cotações internacionais em 5,35%. No caso do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), o popular gás de cozinha, o preço está 18,56% maior.


Os valores internacionais subiram nas duas últimas semanas. Apesar de certa estabilidade nas cotações do petróleo, girando em torno de US$ 80, o PPI também considera indicadores particulares de cada combustível.


Em 18 de novembro, o diesel da Petrobras chegou a ficar 9% acima da referência internacional. O preço da gasolina estava 3,5% maior. Os índices abriram um embate dentro do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ampliando a pressão contra a estatal por cortes.


Embora a Petrobras tenha abandonado o PPI como política de precificação, passando a dar mais peso aos custos internos, a cotação do petróleo e o câmbio ainda têm influência sobre os preços. Isso porque 25% do diesel consumido no Brasil é importado, assim como 15% da gasolina. Parte disso é adquirida no exterior pela própria estatal.


O último reajuste da Petrobras no preço do diesel e da gasolina foi feito em 21 de outubro, há 42 dias. O diesel teve aumento de preços, enquanto para a gasolina foi aplicada redução. No caso do GLP, em que o país também depende de 26% do produto importado, o último reajuste foi em julho.


O PPI foi adotado como política de preços da Petrobras na gestão Michel Temer (MDB) e vigorou durante todo o governo Jair Bolsonaro (PL). A metodologia trazia flutuações constantes aos preços internos, repassando as variações do dólar e do petróleo.


Quando foi eleito, Lula cobrou um “abrasileiramento” da política de preços como forma de abaixar os valores. Jean Paul Prates, presidente da estatal, o fez. Com o novo método, quando o barril de petróleo teve altas expressivas, a Petrobras não repassou os aumentos imediatamente, provocando defasagens nos preços em relação ao PPI. Depois, o aumento foi dado.


Do mesmo modo, não foi repassada a queda vista nos indicadores em novembro para equilibrar o caixa da empresa. Foi isso que desagradou setores do governo, que esperavam que o reajuste, caso fosse negativo, seria rapidamente repassado.

Comments


BANNER_SAO_JOAO_2024_SITE.png
bottom of page