top of page

Apple lança recurso antirroubo para o iPhone no Brasil; entenda como vai funcionar

A Apple lançou oficialmente nesta terça-feira, 23, um novo recurso anti-roubo para o iPhone, com a promessa de dificultar que bandidos acessem informações sigilosas no celular.


Parte do pacote de atualização da versão 17.3 do iOS, o recurso foi visto pela primeira vez em dezembro de 2023 e já pode ser acessado por usuários do Brasil e do restante do mundo.


Chamado de “Proteção contra roubo de dispositivos”, o recurso obriga a utilização de desbloqueio biométrico (facial ou de dedo) em operações consideradas críticas pela Apple quando o usuário estiver longe de casa. Para utilizá-la, o usuário vai ter que ativar a funcionalidade manualmente quando estiver disponível.


Atualmente, quando a autenticação biométrica falha (seja para desbloquear a tela, seja para operações financeiras, por exemplo), o iPhone pede que o usuário digite a senha numérica ou alfanumérica do aparelho como alternativa — o que facilita a situação para bandidos, que podem exigir esse código à vítima durante o crime.


“Conforme as ameaças aos dispositivos de usuários continuam evoluindo, nós trabalhamos incansavelmente para desenvolver novas proteções para nossos usuários e suas informações”, disse a Apple em comunicado. “Nos raros casos em que um ladrão observa o usuário digitar a senha e então rouba o dispositivo, nosso recurso adiciona uma nova camada de proteção.”


A ideia da Apple é impedir que algumas funções possam ser alteradas na rua e sem o rosto ou dedo do usuário. No recurso, passam a ser obrigatórias a utilização de autenticação pelo Face ID (facial) ou Touch ID (dedo) para as seguintes tarefas, sem a possiblidade de utilização de senha numérica ou alfanumérica como alternativa.


Veja a lista dos recursos que vão ser obrigados a serem desbloqueados com biometria:


  • Ver ou usar senhas salvas no dispositivo (iCloud Keychain);

  • Cadastrar novo cartão Apple Card;

  • Ver um cartão virtual da Apple;

  • Desligar o Modo Perdido;

  • Apagar conteúdos e configurações;

  • Fazer alterações nas contas Apple Cash na Carteira;

  • Usar métodos de pagamentos armazenados no navegador Safari;

  • Usar seu iPhone para configurar um novo dispositivo;


Além disso, a Apple criou uma segunda camada de segurança para algumas operações consideradas ainda mais importantes no aparelho. Para realizar alterações nesse grupo, o usuário vai ter de passar pela autenticação biométrica e esperar uma hora até que consiga realizar a mudança desejada.


Abaixo, veja a lista do que ganhou a camada adicional de sessenta minutos de segurança:


  • Mudar a senha do Apple ID;

  • Atualizar configurações de segurança do Apple ID (o que inclui a opção de adicionar ou remover um dispositivo da família, adicionar ou remover um telefone de confiança, alterar a chave de recuperação e mudar o contato de confiança);

  • Mudar a senha numérica ou alfanumérica do iPhone;

  • Adicionar ou remover o Face ID ou Touch ID;

  • Desligar o aplicativo Buscar;

  • Desligar o recurso de proteção contra dispositivo roubado;


Essa atualização acontece após uma onda de roubos no Brasil e Estados Unidos, onde usuários viram seus iPhones serem furtados ou roubados com a tela desbloqueada e, com isso, perderam acesso remoto ao aparelho após bandidos realizarem alterações nas configurações críticas do aparelho.

Comments


BANNER_SAO_JOAO_2024_SITE.png
bottom of page